Herois dos Anzóis,Lda.
Telefone +351961843417
Endereço Mercados de Olhão, Olhão, Portugal
E-mail heroisdosanzois@gmail.com

Vamos ao Peixe ? 

O Peixe mais fresco, está aqui!...nos Mercados de Olhão, desde 1866.

Dica do dia

A pesca e a temperatura da água.

LER

Notícia do dia

Médicos alertam para cuidados com consumo de peixe cru após caso de infeção parasitária.

LER

Receita do Dia

Carapaus Fritos com arroz de tomate e coentres.

LER

Curiosidade do dia

O que é aquela substância branca que aparece no salmão cozinhado?

LER
 
SOBRE NÓS
 

Somos uma empresa de comércio a retalho de peixe e marisco, com bancas nos Mercados de Olhão. Trabalhamos com mais de 20 qualidades de pescado, desde o peixe, cefalopódes, crustáceos e bivalves. Operamos nas lotas de Olhão e Quarteira e temos parcerias com diversos fornecedores que operam em práticamente todas as lotas de Portugal e Sul de Espanha.

 
Siguem-nos nas redes sociais!...
 
 
MERCADOS DE OLHÃO  - desde 1866
 

O peixe e marisco fresco têm lugar no Mercado do Peixe.Aqui se encontra do peixe miúdo ao graúdo, e com a mesma facilidade, o comprador vê o peixe acabado de chegar, ser arranjado para um belo repasto.Ponto de eleição para uma conversa diária, é considerado o epicentro do olhanense genuíno. Com atenção, o visitante poderá ouvir uma linguagem muito própria das gentes do mar, do Olhão de “entigamente”.A frescura do pescado e marisco é confirmada pelo aglomerar de compradores, que aqui se abastecem para os melhores pratos de caldeirada, peixe para grelhar e outros tantos, da gastronomia olhanense.De inverno ou verão, o Mercado do Peixe, em Olhão!Localiza-se no lado poente dos Mercados.

 

GALERIA DE FOTOS

 
 
DESTAQUES DO DIA
 
Carapau
Carapau
Trachurus trachurus / Horse Mackerel

 / Jurel

6,00€ / kg
Pargo 
Pargo 
Pargo - Pagrus pagrus / Red porgy 

/ Pargo

15,00€ / kg
Lula
Lula
Loligo vulgaris / Squid

 / Calamar 

12,00€ / kg
 
DICA DO DIA
 
DICAS PARA ESCOLHER PEIXE FRESCO: O iodo, presente no pescado fresco, é fundamental para o correcto funcionamento da tiróide e intervém nos processos de crescimento e reprodução, na função nervosa e muscular; na síntese protéica, no crescimento da pele e cabelo; na regulação da temperatura corporal e na formação de células do sangue e na utilização de oxigénio nas células. Dicas para saber escolher: - Cheiro suave, a maresia. Recuse o peixe se este apresentar um cheiro demasiado intenso ou a amoníaco; - Pele com uma pigmentação viva e brilhante, sem descoloração. Com o decorrer do tempo esta tem tendência a ficar baça e as escamas desprendem-se facilmente; - Olhos salientes, a córnea transparente e a pupila negra brilhante. Se os olhos estiverem côncavos, a córnea opaca e a pupila acinzentada, o peixe já não estará nas melhores condições; - Guelras avermelhadas, brilhantes e sem muco. Ao longo do tempo ficam amarelas e com muco leitoso; - Carne firme e elástica. Pouco a pouco amolece e perde elasticidade, ficando avermelhada junto à coluna vertebral; - A coluna vertebral do peixe quebra-se em vez de despegar; - A membrana que cobre a parede abdominal adere totalmente. Fonte: “Comer Bem É Mais Barato” - Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP e SIC

Os peixes são pecilotérmicos (a temperatura do corpo varia em função da temperatura ambiente), variações de temperatura na água (mesmo que reduzidas) podem afastar o peixe para zonas em que se sintam mais confortáveis. Os receptores de temperatura, na superfície corporal dos peixes, geralmente detectam diferenças de temperatura na ordem de 0,1ºC a 0,03ºC. 

Quando a temperatura da água diminui, algumas espécies param simplesmente de se alimentar reduzindo a actividade corporal (nadam menos, ficam algumas vezes num estado semi-consciência, não se alimentam). Uma das formas que os peixes têm de contrariar esta variação de temperatura é descendo ou subindo em profundidade. A temperatura da água difere bastante da temperatura ambiente, da proximidade e tipo de costa. Será o termometro uma ferramenta indispensável ? O conhecimento da espécie e dos seus hábitos é fundamental, a experiência do pescador ensina-o que em determinadas águas existe uma espécie ou outra, mas nenhum de nós tem a noção da temperatura da água a 20 metros de profundidade, saber a temperatura da água torna-se uma ferramenta útil na definição do pesqueiro e da espécie a capturar evitando duas ou três horas de pesca em determinado local que, pela temperatura da água, aquela espécie não pode estar. 

A temperatura da água, na generalidade dos casos, diminui quando a profundidade aumenta. Grandes massas de água (barragens, lagos) apresentam estratificação, com camadas que possuem diferentes temperaturas e níveis de oxigénio dissolvido implicando uma distribuição diferenciada de espécies em profundidade. Existem peixes que se sentem melhor em águas mais frias (truta 15 a 17ºC), outros de espécies tropicais e sub-tropicais em águas bastante mais quentes (Dourado 25ºC, Pácu 26 ºC) e ainda outros em que a margem de conforto térmico é mais ampla (achigã=black-bass, corvina). A temperatura à superfícieA temperatura da água é influenciada pelo sol ao incidir directamente, por zonas de contacto próximas, rochas que absorveram energia solar durante o dia, por entrada de águas interiores (foz dos rios), por águas paradas (baías, enseadas). As zonas de encontro entre águas de diferentes temperaturas, são zonas onde é comum existir peixe, a explicação base é a de que nestas zonas existe uma zona próxima em que a temperatura de conforto é a mais adequada. Locais com rochas meio submersas, locais com enseadas, zonas de foz, saídas de portos de abrigo são normalmente localizações ideiais para pesca junto à superfície.

 
NOTÍCIA DO DIA
 
Peixe vendido em lota rende 47 milhões:Região foi responsável por mais de 20% das receitas totais de pesca no País.O peixe vendido nas lotas do Algarve rendeu, em média, um valor superior a 47 milhões de euros em 2016. A região foi mesmo responsável por mais de 20% do total das receitas registadas no setor das pescas em todo o País, segundo dados da Docapesca. Embora se tenha verificado uma redução de 25,4% na quantidade de peixe vendido nas lotas algarvias, a subida de 33,4% do preço médio permitiu que as receitas se mantivessem no ano passado a um nível praticamente igual ao do ano anterior. No total, foram vendidas 17,4 mil toneladas, no valor de quase 47,7 milhões de euros. Em quantidade, a lota de Olhão foi a que mais pescado transacionou na região (5 mil toneladas), embora a de Vila Real de Santo António (onde desembarca muito marisco) tenha sido a que mais faturou, atingindo 10,3 milhões de euros.

 
RECEITA DO DIA
 
Bife de Atum de Cebolada para 4 pessoas:750 g de atum fresco (em posta) ;
1 dl de vinagre ;
4 dentes de alho ;
2 folhas de louro ;
1 dl de azeite ;
2 cebolas ;
sal q.b.
pimenta q.b. Confeção:Corte os bifes como se a posta de atum fosse um bocado de carne de vaca. Coloque os bifes de atum a marinar durante algumas horas com o vinagre, os dentes de alho cortados em rodelas, sal e pimenta e o louro.
Depois de marinados, escorra e frite os bifes de atum em azeite. Retiram-se para um prato.
Entretanto, corte as cebolas em rodelas finas e deite-as no azeite que serviu para fritar os bifes. Quando a cebola estiver translúcida, introduza os bifes de atum novamente no tacho e regue-os com a marinada. Deixe-os estufar um pouco, rectifique o paladar e sirva com batatas cozidas.
 
CURIOSIDADE DO DIA
 
O que é aquela substância branca que aparece no salmão cozinhado? Esta substância, que até pode não ser muita apelativa ao olhar é na verdade, como explica o Independent, é proteína coagulada ou albumina.Há quem evite comer esta substância por considerar que se trata da gordura do peixe, mas saiba que esta matéria branca do salmão – e de outros peixes, embora no salmão seja mais notório devido à cor do próprio peixe - não só é inofensiva como é benéfica.À medida que o peixe cozinha, a albumina é empurrada para fora das fibras musculares do peixe antes de coagular à superfície. Isto acontece independentemente do método que escolha para cozinhar o seu peixe.Se lhe faz mesmo confusão ter de ver e comer esta substância branca, os especialistas sugerem que colocar o peixe em salmoura por dez minutos - com uma colher de sopa por cada 230 ml de água – pode reduzir a quantidade de albumina que surge à superfície do peixe.

O que é aquela substância branca que aparece no salmão cozinhado? 

Esta substância, que até pode não ser muita apelativa ao olhar é na verdade, como explica o Independent, é proteína coagulada ou albumina.Há quem evite comer esta substância por considerar que se trata da gordura do peixe, mas saiba que esta matéria branca do salmão – e de outros peixes, embora no salmão seja mais notório devido à cor do próprio peixe - não só é inofensiva como é benéfica.À medida que o peixe cozinha, a albumina é empurrada para fora das fibras musculares do peixe antes de coagular à superfície. Isto acontece independentemente do método que escolha para cozinhar o seu peixe.Se lhe faz mesmo confusão ter de ver e comer esta substância branca, os especialistas sugerem que colocar o peixe em salmoura por dez minutos - com uma colher de sopa por cada 230 ml de água – pode reduzir a quantidade de albumina que surge à superfície do peixe.

CONTATOS